Foi publicado na Revista Exame do dia 15 que o mercado de trabalho dá sinais de recuperação. Eles colocaram que o mercado formal está reduzindo o ritmo de demissão. A taxa de desemprego registrada no trimestre encerrado em julho teve queda de 12,8%. “A economista do Ipea, Maria Andréia Parente, observou que o cenário do mercado de trabalho, que vinha piorando, deu uma “estacionada” há dois meses e agora, no segundo trimestre, começou a dar sinais de que está se recuperando”.

Quando li esta reportagem fiquei muito empolgada com esta excelente notícia. O trem está voltando para os trilhos, mas precisamos nos preparar para a retomada. Como vocês sabem eu tenho assessorado/ajudado várias pessoas a se (re)colocar no mercado de trabalho através do Laboratório de Currículo (palestras gratuitas e coaching em grupo) e me deparei com algumas situações que me preocupam. Relacionei as 10 principais e vou compartilhar com vocês ao longo das próximas semanas:

A primeira é a qualidade dos currículos. Eles estão muito ruins, contém informações desconectas, não agregam nada, não valorizam o que as pessoas fizeram e não se preocupam com a pessoa que vai ler o currículo. Já publiquei em outro artigo que o recrutador leva em média 6 segundos para decidir se o seu currículo serve ou não. Então é fundamental que o currículo descreva o que você fez de forma estratégica e chame a atenção dos recrutadores.  Tenho visto muitas pessoas compartilhando modelos de currículos com layouts elaborados. O visual é bem bacana, mas não é prático para quem está selecionando. Então vale aquela máxima de que menos é mais.

A segunda é a baixa autoestima das pessoas. Compreendo que o tsunami que estamos passando desestabiliza qualquer um, mas é preciso tirar forças do âmago do seu ser para seguir em frente. Li recentemente um comentário no Linkedin e a pessoa colocou que tem visto o nível de energia muito baixa dos candidatos. É totalmente compreensivo, mas quem é que vai contratar alguém com cara de coitadinho? Nas palestras que faço coloco que você deve se preocupar muito com isso. A linguagem corporal fala muito. Então quando chegar numa entrevista “incorpore” uma atitude positiva e energizada. Tenho certeza absoluta que este simples gesto garantirá um ponto extra na sua entrevista de seleção.

A terceira é a falta de conhecimento sobre si mesmo. As pessoas não se conhecem, não sabem no que são boas, não sabem o que querem fazer. Escuto muito: qualquer coisa serve… como assim? Entendo que em tempos de crise precisamos dar um passo para atrás para seguir em frente, mas “qualquer coisa serve…” é algo inadmissível. Participo de um grupo no Whats e uma pessoa enviou uma mensagem inbox se interessando por uma vaga que foi postada. Eu perguntei qual era a vaga que ela havia se interessado para que eu pudesse reenviar a mensagem para ela. Vocês acreditam que ela não sabia, ficou falando aquela vaga, aquela vaga. Para vocês terem uma ideia naquele dia foram publicadas oportunidades para serviços gerais, pedreiro, auxiliar administrativo, auxiliar de rh, dentre outras. Será que ela queria trabalhar como pedreiro?

A quarta é a falta de preparo muito grande para as entrevistas. Quando faço simulações de entrevistas, as pessoas ficam desnorteadas diante das perguntas e o pior falam mal das empresas que trabalharam. Sempre oriento que independente do que aconteceu no último emprego não comente nada a respeito. Ninguém vai contratar uma pessoa que vai sair por aí falando mal das empresas. Vamos nos concentrar na sua experiência, realizações, o que você agregou de valor para a empresa. Se a sua saída foi traumática, você precisa passar pelo luto. Luto sim, estudos mostram que perder um emprego pode ser tão traumático quanto perder um ente querido. Se você não passou pelo seu luto trate de fazer isso agora. Escolha uma pessoa da sua confiança e desabafe tudo que você quiser: fale mal, reclame tudo que você tem para reclamar. Depois disso não reclame mais. Não se esqueça de que atraímos o que pensamos. Se pensamos o tempo todo na injustiça que fizeram com a gente, não conseguiremos atrair nada além de novas injustiças.

A quinta é a falta de Networking. As pessoas não se preocupam em fazer networking enquanto estão empregadas e quando são demitidas ficam desesperadas. Networking é TUDO e serve para quem busca uma oportunidade em uma empresa ou para quem é um empreendedor. Tenho visto muitas pessoas fazendo Not Working. E o que isso? É ficar se lamentando da vida, é mandar currículo para um conhecido sem ser solicitado, é entrar em contato sem ter nada para dizer, é falar do que você precisa sem prestar atenção ao que o outro precisa, é deixar de cumprir acordos, é ser inconveniente, um chato. Networking é parceria. Hoje eu estou bem e te ajudo, amanhã eu posso precisar da sua ajuda.

A sexta é forma como as pessoas se comportam nas redes sociais. Cuidado com o que compartilha, curte ou comenta. Você sabia que os RH´s acessam as redes sociais para conhecer melhor os candidatos? O Facebook é tradicionalmente um site de networking pessoal, no qual os usuários compartilham tudo, do seu final de semana selvagem em Búzios a receitas. A minha dica é: CUIDADO! Especialmente quando você está em busca de uma oportunidade de emprego. Você não vai querer que um possível empregador acesse seu perfil e veja as fotos daquela última festa… seja discreto. Use as configurações de privacidade. Outra dica: No Linkedin não procure as pessoas apenas quando precisar de emprego. Seja sociável, troque informações, participe de debates, publique conteúdos interessantes sobre sua área, convide pessoas e aceite os convites que receber. Estamos falando de rede de contatos e para ter contatos é preciso estar presente.

A sétima é forma como você se veste. Antes de comparecer numa entrevista de emprego entre no site, conheça o negócio da empresa, pesquise tudo que puder. Se tiver dúvida sobre a melhor roupa para a entrevista opte pelo mais formal, ou seja, calça e camisa social para homens e vestido, saia ou calça e blusa para mulheres. Mas nada muito estampado, justo ou decotado. Você não está indo para uma festa. É uma entrevista de emprego. Outra coisa, nada de bijuteria muito exagerada. Opte pelo mais simples e tradicional e não se esqueça da maquiagem. Um batom discreto será muito bem-vindo. Não se esqueça que você provavelmente não terá uma segunda oportunidade para causar uma boa primeira impressão.

A oitava é falta de planejamento para buscar emprego. Buscar emprego dá trabalho e precisa de organização e disciplina. Reserve uma parte do seu dia para fazer esta atividade e cumpra religiosamente a sua programação. Nós seres humanos possuímos uma tendência muito grande para procrastinar. Então disciplina, disciplina e disciplina. Faça uma tabela e coloque o tempo que você ficará na internet com este objetivo por dia. A internet é maravilhosa e nos ajuda muito, mas é preciso ter foco. Muitas são as distrações. Uma dica para que você consiga se concentrar é arrumar um caderno e escrever o que você fez naquele dia, quantos currículos enviou, o nome do cargo para o qual você encaminhou o seu currículo e aonde você viu aquela oportunidade. Uma coisa importante: toda vez que encaminhar o seu currículo por e-mail envie em PDF. Desta forma você garante a integridade das suas informações e a formatação.

A nona é falta de cursos de capacitação. Não sei o que acontece, mas quase ninguém está buscando um curso de atualização ou especialização. É fundamental que você faça cursos e se atualize. Existem muitas opções de graça na internet. Então não tem desculpas para não fazer. Ah! Não esqueça de solicitar o certificado, pois tudo que você colocar no seu currículo deverá ser comprovado. Mas não vale colocar qualquer curso. Só coloque aqueles que vão ajudar na sua (re)colocação.

A décima não é uma preocupação, é uma dica: Se puder faça um trabalho voluntário. É uma excelente forma de ajudar o próximo e preencher o seu tempo com uma atividade produtiva, pois desta forma você diminuirá a ansiedade de ficar em casa o dia todo e ainda poderá capitalizar colocando no seu currículo como Atividade Extracurricular. É muito bem visto pelos recrutadores.

Analise o que coloquei e se fizer sentido para você coloque em prática. Espero ter contribuído para que você mude o seu mindset e consiga a tão sonhada recolocação.

Se você quiser conhecer melhor o meu trabalho, a próxima turma do Laboratório de Currículo – Coaching em Grupo Online iniciará no dia 05/10 (quinta feira). O número de participantes é limitado para que eu possa dar atenção especial para cada um.

http://bit.ly/LaboratorioCurriculoCoachingGrupoOutubro

Eliana Arruda é coach de carreira e idealizadora do Laboratorio de Currículo. Possui mais de 20 anos de experiência como executiva de Recursos Humanos e Gestão de Mudanças. Hoje compartilha a sua experiência auxiliando profissionais a se (Re)colocar no mercado de trabalho através palestras, processos personalizados e Workshops.